Dieta do Guerreiro ou The Warrior Diet

Dieta do Guerreiro ou The Warrior Diet , como também é conhecida.

A Dieta do Guerreiro foi criada e desenvolvida por Ori Hofmekler, um entusiasta e pesquisador sobre nutrição e exercícios físicos, foi editor chefe da revista “Mind and Muscle Power Magazine” por um longo período, e que no ano de 2002 lançou o livro “The Warrior Diet”, sobre o qual falaremos nesse artigo.

Por onde começar a explicação? São muitas informações interligadas, que fica até complicado encontrar uma maneira para começar. Uma boa saída, poderia ser começar pela descrição da dieta, mas isso pode acabar assustando os interessados, ou podem ficar possessos e saiam falando mal do site.

Então acho que devemos iniciar com histórico sobre esse assunto de guerreiro, e que dá o nome à dieta e tentar, ao final desse artigo, apresentar alguns conceitos e justificativas que fornecerão certo embasamento a esse estilo de vida.

Dieta do Guerreiro-guerreiro romano

Quem é esse tal Guerreiro?

Esse tal guerreiro que o nome da dieta faz menção remete aos combatentes das antigas civilizações, valendo a pena destacar as mais famosas: grega e romana. Esses caras eram exemplos de potência física humana: um soldado do império romano era capaz de caminhar mais de 40 km por dia, com 30kgs de equipamentos.

Eram muito fortes, ágeis, preparados para qualquer tipo de situação, ficando sempre em alerta. Passavam anos por treinamentos insanos, brutais, dolorosos e pesavam em média apenas 65kgs! Isso sem falar dos gladiadores, já que estes valiam a três soldados comuns.

Você já parou para pensar o porquê as estátuas de guerreiros e deuses, sempre mostrarem corpos bem atléticos, com muitos músculos, todo definido? Os caras nem malhavam, tinham uma rotina totalmente desgastante e estressante, catabólica demais, viviam no overtraining (fazer mais exercícios do que seu corpo é capaz de se recuperar.), não tomavam suplementos, não usavam anabolizantes, e mesmo assim eram fortes, grandes e totalmente definidos então como é possível?

Alguns podem dizer que a genética poderia influenciar, mas com certeza é algo mais do que isso, o segredo estava na alimentação. Eles comiam normalmente somente uma vez ao dia. Consumindo alimentos frescos e nutritivos, e permaneciam em jejum durante diversas horas. Mantendo seus instintos de guerreiro afiados, sob alerta constante e intenso treinamento. Pela noite, descansavam e recebiam a recompensa por um dia exaustivo de trabalho: a comida.

Dieta do Guerreiro-alimentos frescos

Quando isso Aconteceu?

No auge das expansões do Império Romano, era assim que os soldados, sem nenhuma exceção, se alimentavam. O autor do livro arrisca, de uma maneira que até força um pouco a barra, que um dos fatores que trouxeram a queda do império foi a mudança dos hábitos alimentares, especialmente dos generais e políticos, que passaram a se alimentar mais de uma vez por dia, e passando a consumir grãos em sua maioria.

Os instintos do guerreiro foram definhando, sendo substituídos pela gordura abdominal e pela domesticação do ser humano. Isso pode até ter influenciado em alguma parte “estratégica”, digamos assim, mas sabemos que a crise no sistema de produção escravista e as frequentes invasões bárbaras que foram os verdadeiros motivos.

O que percebemos no homem moderno é que esses instintos ainda existem nos seus genes, porém, encontram-se adormecidos, já que a alimentação é uma porcaria: come-se várias vezes por dia, ingerindo muita gordura, muitos carboidratos refinados, doces e junk & fast food. E para piorar, não praticam exercícios físicos. Moral da história é que teremos um ser humano domesticado e sem instintos.

Agora vamos falar sobre o jejum, quando passamos por longos períodos dele o organismo se mantêm sob constante estado de alerta, aumentam nossa produtividade, a eficiência do metabolismo da proteína e a sensibilidade pela insulina, sendo que esta não vai variar de forma absurda, e seu corpo não irá armazenar tantas calorias dos carboidratos na forma de gordura quando você se alimentar.

Dieta do Guerreiro-jejum-dieta-guerreiro

Como Funciona?

Agora a melhor parte: as produções de hormônios anabólicos (é a parte do metabolismo que se refere à síntese de substâncias em um organismo, ou seja, a partir de moléculas mais simples, são criadas moléculas mais complexas), como o GH e a testosterona aumentam e MUITO durante o jejum, principalmente o hormônio do crescimento! O cortisol vai subir, de fato, mas existem várias maneiras de controlá-lo, evitando a queima/catabolismo de massa muscular.

Em relação à dieta do guerreiro, agora, ficou fácil descobrir do que ela se trata, já que dei algumas dicas sobre os seus pilares: um ciclo diário de alimentação, dividido em duas fases conhecidas como underEating e overEating, que seriam um ciclo de desconstrução e de construção, respectivamente.

Na primeira, você gasta, destrói e transforma matéria em energia. Quando você come várias vezes por dia, há um excesso de construção, de materialismo, fato que vai gerar aumento de gordura corporal. A fase over, por sua vez, é a da materialização, criação.

Outro problema que ocorre quando você se alimenta constantemente é que não dá o tempo necessário para o corpo se desintoxicar e produzir enzimas adequadamente, além de gerar satisfação, saciedade e, acima de tudo, liberdade. Além disso, extingue com o estado de alerta, nos deixando mais sonolentos e menos ativos.

A Dieta do Guerreiro não trata pura e simplesmente de ficar em jejum e depois comer, fique tranquilo. Não necessariamente será feito um jejum 100%, como será mostrado mais adiante, mesmo porque, o autor não aconselha que os praticantes fiquem nesse estado radical e incentiva o consumo de determinados alimentos para otimizar a eficácia do método.

Mas e o Jejum…

O jejum, ou melhor, o quase jejum, não deve durar mais de 16/18 horas segundo afirma Hofmekler em seu livro, pois mais do que isso seria prejudicial, já que haveria um gasto exagerado de energia e o catabolismo poderia se agravar, podendo prejudicar a saúde, deixando os praticantes doentes.

ciclo-alimentacao-A Dieta do Guerreiro ou The Warrior Diet

Entretanto, em seu site, ele mostra uma tabela de exemplo de dieta com 20 horas de under. Não sei o porquê, mas por aqui no Brasil ficou popular apenas esse ensinamento e praticamente não se fala em 16/18 horas. Talvez por basicamente apresentarem informações no estilo “copia-e-cola”, sem se informar e pesquisar e muito menos ler os livros e artigos do autor.

Fica aqui um alerta para que você tome cuidado ao escolher fontes de pesquisa para aprender sobre algo.

A dieta do Guerreiro não é uma dieta de 3 semanas, ou um plano para o verão, como o próprio autor comenta. É mais do que isso, é um estilo de vida a se seguir, um lifestyle, assim como a musculação, que não deve ser vista apenas como um esporte, a não ser, é claro, que você não seja um “atleta” sério, atrás de ganhos de verdade, porque aí você poderá chamar até de hobby ou lazer, se quiser. 

Conforme os dias forem passando você vai se acostumar com a fome e ela não mais lhe incomodará. Aos poucos você vai virar de fato um guerreiro do mundo moderno. Logo abaixo será listado algumas ideias interessantes sobre essa “dieta”, para que você tenha uma pequena amostra, do que está por vir.

I- PRINCÍPIOS DAS FASES DA DIETA DO GUERREIRO:

  • No Undereating: indivíduo fica em alerta, com energia, ativo, produtivo, com vontade de viver, queimando gordura adoidado.
  •  No Overeating: indivíduo fica tranquilo, calmo, recompensado, refazendo as energias e construindo a musculatura.

II- OBJETIVOS DA DIETA DO GUERREIRO:

  1. Acionar o gatilho para despertar o guerreiro que existe em você;
  2. Queimar gordura;
  3. Construir músculos;
  4. Acelerar o metabolismo;
  5. Potencializar os neurotransmissores;
  6. Desintoxicar o organismo;
  7. Desacelerar os efeitos colaterais da ação do envelhecimento;
  8. Proporcionar uma sensação de liberdade;
  9. Gerar satisfação em todos os sentidos;
  10. Viver instintivamente.

Algumas pessoas podem ficar desconfiadas do método da Dieta do Guerreiro, afinal podem estar tendo alguns bons resultados praticando musculação há algum tempo, e seguindo com a doutrina de comer de 3 em 3 horas, e podem conhecer um pouco sobre os efeitos que o catabolismo pode gerar depois do treino.

Em outras palavras, essas pessoas já passaram por uma lavagem cerebral e não estão prontas para um aprendizado tão requintado. As pessoas que se dizem/acham grandes pesquisadoras e conhecedoras do universo da musculação, descartam sem pena essas novidades transformadoras, digamos assim, pois têm medo de mudar rotinas e conhecer coisas novas e se arriscar.

É fato que muitas novidades não passam de porcarias, mas pelo menos se dê ao trabalho de ler e pesquisar sobre o assunto antes de sair falando mal, de preferência na fonte primária do assunto, e não por reproduções infiéis e resumos, muitas vezes incompletos e incorretos, que fazem por aí.

Deixe Seu Comentário